O que é um AVC?

O cérebro precisa de receber sangue constantemente para o seu bom funcionamento. Um acidente vascular cerebral (AVC) ocorre como resultado de uma interrupção brusca do fornecimento de sangue para uma parte do tecido do cérebro e células nervosas, o que leva à sua destruição e danos na função cerebral. A partir do momento em que células nervosas deixam de ter energia, sucedem-se uma série de consequências que, por fim, irão causar a sua morte.

Uma das funções das células cerebrais é ativar e controlar os movimentos do corpo, a fala, a visão, etc. Quando o tecido do cérebro responsável por uma função está danificado, a correspondente parte do corpo controlada por estas células está afetada. Esta lesão pode levar a manifestações como dificuldade em falar, perturbação do andar, fraqueza (frequentemente num lado do corpo), diminuição da visão ou perda de memória, por exemplo.

Sem tratamento rápido, o dano causado pelo acidente vascular cerebral pode tornar-se permanente e irreversível, e até mesmo levar à morte.

Por vezes uma artéria que leva o sangue para o cérebro fica entupida por um trombo, mas consegue espontaneamente reabrir após minutos ou horas. Nesse caso as manifestações duram apenas alguns minutos ou poucas horas, e chama-se a essa situação um Acidente Isquémico Transitório (AIT). Os sintomas são idênticos aos de um AVC, mas são reversíveis, isto é, os efeitos neurológicos desaparecem após um curto período de tempo. No entanto, cerca de 10% a 15% das pessoas que sofrem um episódio desse tipo vêm a apresentar um AVC no prazo de 90 dias. Os primeiros dias após o AIT são os mais perigosos, e, portanto, a pessoa deve dirigir-se a um hospital o mais rapidamente possível, para avaliação e tratamento para ajudar a prevenir um AVC.